quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Energia


 Ministro Issuf Baldé  promete para breve  arranque da central eléctrica de Buba

Bissau, 21 Ago 19 (ANG) – O ministro dos Recursos Naturais e Energia prometeu que vai, brevemente, fazer funcionar  a central eléctrica de Buba, noticiou a rádio Pindjiquiti.

Issuf Baldé que fazia o balanço da sua visita de trabalho aos projetos afetos ao seu Ministério, em Buba, Fulacunda, Quebo, Catió e Empada,  nas regiões de Quinara e Tombali , sul do país.

O governante informou que de acordo com o relatório entregue pelo responsável da Célula de Seguimento e Controlo dos trabalhos das referidas infra-estruturas,  a central elétrica de Buba está pronta para funcionar mas que  resta concluir alguns aspectos na obra para a sua entrega oficial.

Disse que o referido projeto é financiado pela República da Índia no valor de 20 mil dólares americano com capacidade de produção de cinco megawotts.

Disse  que, inicialmente, a central pode funcionar com menos de cinco megawotts.

Revelou igualmente que a central solar do sector de Bambadinca deixou de funcionar devido ao desentendimento entre os elementos do Comité de Gestão, acrescentando que o mesmo problema está a acontecer no sector de Catió, o que motivou  a paralisação da central eléctrica local, impedindo o abastecimento de água à população .

O ministro da Energia prometeu  tomar diligências para pôr fim as divergências existentes nas  duas localidades para permitir que as populações locais beneficiassem daqueles  bens essencias. ANG/JD/ÂC//SG

Itália


     Justiça  ordena desembarque dos migrantes do navio da Open Arms 
Bissau, 21 ago 19 (ANG) - O Ministério Público italiano determinou  terça-feira (20) o desembarque de cerca de 90 migrantes a bordo do navio da ONG espanhola Open Arms na ilha de Lampedusa.
Segundo comunicado, a decisão foi tomada pelo promotor de Agrigento, Luigi Patronaggio, após uma inspeção da polícia judiciária e dois médicos na embarcação humanitária, que aguardava por uma decisão há 19 dias.
Patronaggio determinou que os migrantes desembarquem nas próximas horas em solo italiano. A decisão foi anunciada pouco depois que um navio militar sair de Espanha, terça-feira em direcção à embarcação da Open Arms  para o resgate de cerca de 90 pessoas.
"A situação no barco é explosiva, de máxima urgência", reconheceu o promotor de Agrigento. Patronaggio também tomou a decisão de abrir uma investigação por sequestro de pessoas, omissão e recusa de ajuda oficial.
Para o ministro do Interior, a decisão o visa diretamente. "Se alguém acha que vai me assustar com a enésima denúncia e abertura de processo, engana-se. É uma piada convencer a Espanha a enviar um navio para fazer os migrantes desembarcarem na Itália e julgar o ministro do Interior que continua a defender as fronteiras do país", publicou o líder da extrema direita italiana em seu Twitter.
Cerca de 15 migrantes que estavam a bordo do navio humanitário da Open Arms se atiraram no mar na terça-feira, sem coletes salva-vidas, para tentar chegar a nado a Lampedusa.
A embarcação estava bloqueada a cerca de um quilômetro da costa da ilha  nas águas italianas, proibida pelo governo da Itália de ancorar em qualquer porto do país.
A Open Arms recolheu mais de 140 migrantes à deriva na costa da Líbia, mas os menores e doentes puderam ser retirados do navio nos últimos dias. Restam cerca de 90 pessoas na embarcação onde a situação sanitária é calamitosa, ressalta há vários dias a ONG. "A situação está fora de controle", publicou a Open Arms em sua conta no Twitter.
O governo espanhol enviou nesta terça-feira um navio militar para resgatar os migrantes. Madri já havia proposto no domingo (18) que a embarcação humanitária atracasse em Algeciras, no sul, ou nas ilhas Baleares, no oeste. Mas, para a ONG, a operação era "absolutamente irrealizável". Devido à distância, seriam necessários mais três dias de navegação, uma espera "insustentável", segundo os ativistas.
Há vários dias, seis países europeus - França, Alemanha, Luxemburgo, Portugal, Romênia e Espanha - anunciaram que vão receber os migrantes do navio da Open Arms. Ainda assim, o ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, continuava inflexível sobre a proibição de acolher a embarcação em um porto do país.
O destino dos migrantes suscitou trocas de farpas entre a Espanha e Salvini, acusado de querer tirar proveito político do caso em plena crise política em Roma. "A firmeza é a única maneira de impedir que a Itália se torne novamente o acampamento de refugiados da Europa, como demonstra o barco da ONG espanhola cheia de falsos doentes e falsos menores", publicou o líder da extrema direita italiana no Twitter. ANG/RFI



Telecomunicações


ARN celebra 20º aniversário com assinatura de acordo com Associação de Consumidores

Bissau,21 Ago 19(ANG) – A Autoridade Reguladora Nacional de Telecomunicações(ARN), celebrou terça-feira os seus 20 anos de fundação com a assinatura de um acordo com a Associação de Consumidores, Serviços e Bens(Acobes).

Sede da ARN em Bissau
O referido acordo visa facultar aos consumidores dos serviços de telecomunicação uma Guia contendo informações que lhes permitem fazer valer os seus direitos, resolução de eventuais problemas com o seu operador ou prestador de serviços, assim como agir em caso de conflito, entre outros.

Na sua alocução no acto, o Presidente do Conselho de Administração da ARN, Gibril Mané disse que na verdade todos são  consumidores, independentemente de serem funcionários e técnicos daquela instituição.

Mané reconheceu   que uma boa parte da população guineense ainda sente  insatisfeita com os serviços que são fornecidos.

“No mundo em que encontramos, com a revolução das tecnologias de informação e com aquilo que são as virtudes de cada um, há uma insatisfação enorme neste sentido porque, de facto, os serviços que estamos a receber da parte dos operadores não são das melhores”, explicou.

Essas dificuldades, de acordo com Gibril Mané essas operadoras se deparam com grandes dificuldades relacionadas a falta de infra-estruturas  para compensar as exigências dos consumidores.

 A título de exemplo, indicou que  as tecnologias de 3 e 4G , ou seja o nível de revolução tecnológica que o país devia ter é muito baixo.

“Isso tem a ver com as carências das infra-estruturas sobretudo da banda larga. Por isso entendemos que o nível de insatisfação é muito alto,  contudo, estamos, dia-a-dia, a combater essa situação conjuntamente com as operadoras,  no sentido de exigi-los a prestar um serviço de qualidade, com preço acessível e uma cobertura ao nível nacional , e que pode arcar toda o restante sector em prol do desenvolvimento do país”, frisou.

Por sua vez, o Presidente da Acobes, Fodé Caramba Sanhá disse  que  a inovação das tecnologias de informação e comunicação interessa muito aos consumidores tendo em conta o desafio, a dinâmica e o processo de desenvolvimento.

“Hoje é um marco importante e que sempre prescreverá na história da ARN e da Acobes, no âmbito da promoção daquilo que é essencial na defesa dos direitos dos cidadãos e dos consumidores em particular”, salientou.

Referindo ao acordo, aquele responsável sublinhou que é uma etapa  fundamental no relacionamento entre as duas entidades,  para a conjugação de sinergias com a finalidade de imprimir mais eficácia e qualidade na prestação de serviços públicos. ANG/ÂC//SG

Moçambique


                 Junta Militar elege Mariano Nhongo líder da Renamo
Bissau, 21 ago 19 (ANG) - O major-general Mariano Nhongo foi na segunda-feira eleito presidente da Renamo, pela Junta Militar, composta por dissidentes, que rejeitam a liderança de Ossufo Momade e pretendem negociar com o governo o processo de DDR.
Mais de 80 membros da auto-proclamada Junta Militar da Renamo, composta por antigos guerrilheiros que contestam a presidência de Ossufo Momade, elegeram  Major-general Mariano Nhongo para presidente interino do maior partido da oposição.
Mariano Nhongo era candidato único e foi eleito no último dia do conselho nacional extraordinário, convocado pela Junta Militar, por ele criada, que decorreu numa base do grupo, situada na região de Piro, nas proximidades da serra da Gorongosa, na província de Sofala.
Major-general Mariano Nhongo de 49 anos nasceu em Chemba, na província de Sofala e integrou a Renamo em 1981, na qual se tornou num dos mais relevantes oficiais do braço armado do partido durante a presidência de Afonso Dhlakama.
Mariano Nhongo integrou a Equipa Militar de Observadores Internacionais na Cessação de Hostilidades Militares em Outubro de 2014 e dirigiu a equipa responsável pela segurança do seu então líder Afonso Dhlakama, de quem foi responsável pela segurança.

"Se eu sou presidente da Renamo, já estou a tomar posse, não vou fazer brincadeira, vou defender o partido de toda a maneira...querem ver força, também vou usar a força...ninguém é nascido presidenteeu posso dirigir o país...se o governo não está a entender, nós vamos usar a força...Ossufo [Momade] [André] Magibire (secretário geral da Renamo)...estão a enganar o povo e estão a mentir".
O grupo que se descreve como uma estrutura militar da Renamo "entrincheirada nas matas" com 11 unidades provinciais, ameaça acções militares se o governo moçambicano rejeitar renegociar com eles todo o processo de DDR e pede a intervenção de Portugal, Ruanda e da Cruz Vermelha.
Vai ser criado um grupo de contacto, para dialogar com o governo e renegociar o processo de Desmilitarização, Desmobilização e Reintegração - DDR - do antigo braço armado da Renamo, dado que este grupo de militares dissidentes acusa Ossufo Momade de ter rubricado o Acordo de Paz em Maputo a 6 de Agosto sem ter consultado os guerrilheiros e os orgãos da Renamo.
Segundo João Machava porta-voz da Junta Militar e comandante provincial das forças residuais da Renamo em Inhambane, nem a Comissão Política, nem o Conselho Nacional, nem a bancada parlamentar da Renamo, conhecem os termos do Acordo de Paz, que entre 21 e 23 de Agosto deverá ser discutido no parlamento transformado em leie que segundo os contestatários exclui mais de metade dos guerrilheiros do processo de reintegração.
A proposta de lei do Acordo de Paz prevê o desmantelamento das bases da Renamo até 21 de Agosto, mas João Machava acusa Ossufo Momade de traidor e afirma que o presidente interino Mariano Nhongo vai falar com a bancada parlamentar da Renamo, para que não seja aprovado o Acordo de Paz.
"movimentar todos os efectivos para bases seguras, considerando que o traidor Momade entregou as coordenadas das bases ao inimigo...mandar libertar e se for necessário à força, os nossos militares correntemente presos por ordens do traidor Ossufo...exigir o adiamento das eleições marcadas para 15 de Outubro de 2019...O presidente [interino] vai falar com a bancada da Renamo para não aprovar o Acordo de Paz de 6 de Agosto, uma vez aprovado...já aprovaram a guerra", disse Machava. ANG/RFI



Presidenciais 2019


“É impossível compreender a interpretação das leis por parte dos partidos políticos da Guiné-Bissau”, diz Embaixador dos EUA

Bissau, 21 Ago 19 (ANG) - O Embaixador dos Estados Unidos de América (EUA) para Guiné-Bissau considerou de impossível a compreensão da interpretação das leis por parte dos Partidos Políticos da Guiné-Bissau uma vez que cada qual decifra a lei da sua forma.

Tulinabo Mushingi falava numa conferência de imprensa que realizou  terça-feira na qual manifestou a sua preocupação com as situações de desentendimento que se verificam actualmente no seio dos partidos políticos.

O diplomata americano pediu um entendimento no seio dos partidos políticos da Guiné-Bissau com a finalidade de não adiar a data de 24 de Novembro marcada para realização das Eleições Presidenciais no país.

“É quase impossível compreender os diferentes regimentos dos partidos políticos e diferentes interpretações das leis por parte dos mesmos. Cada partido interpreta a lei da sua maneira e isso torna as coisas bastante complicada”, considerou Tulinabo Mushingi.

Sublinhou que o povo da Guiné-Bissau e o mundo em geral estão a espera da realização das eleições presidenciais na data marcada e que por isso, é necessário que os Partidos Políticos estejam ciente da esperança do povo.  

“Alguns partidos estão a solicitar um novo recenseamento, outros estão a dizer que é necessário simplesmente corrigir alguns erros do recenseamento anterior, estas situações devem ser ultrapassadas porque só a eleição pode conduzir o país à uma situação de credibilidade internacional e a questão de segurança interna”, referiu o Embaixador.

Acrescentou ainda que os partidos políticos devem dialogar para encontrar uma solução face a situação de desentendimento de modo a não adiar a data marcada para realização das eleições presidenciais.

Por outro lado, Tulinabo Mushingi informou que uma equipa do Ministério de Agricultura dos Estados Unidos de América já está em Bissau para trabalhar com os agricultores  guineenses.ANG/AALS/ÂC//SG

Sudão


          Tribunal ouve ex-Presidente  Omar al-Bashir por corrupção
Bissau, 21 ago 19 (ANG) - O ex-Presidente sudanês, Omar al-Bashir, começou a ser ouvido por um tribunal nos arredores da capital, Cartum, acusado de corrupção e enriquecimento pessoal.
O seu advogado diz tratar-se de  uma campanha de calúnia na comunicação social sublinhando que ainda o tribunal não apresentou qualquer prova contra o seu constituinte. 
O ex-Presidente sudanês, destituído a 11 de abril, após meses de manfestações em todo o país, é acusado geralmente de crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio, compareceu perante o tribunal, apenas por corrupção, nomeadamente, roubo de 90 milhões de dólares e tráfico de influência.
Omar al-Bashir, reconheceu ter recebido 90 milhões de dólares líquidos da Arábia Saudita, mas para resolver problemas graves do país.
O seu advogado, Ahmad Ibrahim al Taher, cauciona a versão do seu constituinte e denuncia uma campanha na comunicação social com acusações excessivas.
"Com certeza que há um enorme julgamento mediático contra Omar al-Bashir, há acusações excessivas. Eles dizem que o Presidente roubou a torto e a direito  e que transferiu o dinheiro para o estrangeiro.
"O que se passa fora da sala deste tribunal não passa duma acusação monstruosa. Na realidade o que se vive na sala é completamente diferente e tem a ver com a apresentação de provas e até agora o tribunal não avançou com nenhuma prova". 
Contudo, a Amnistia Internacional, reagiu dizendo que não se deve ficar apenas por acusações de corrupção contra o ex-Presidente do Sudão, acusado por crimes contra a humanidade e genocídio em Darfur, na parte ocidental do país.
Omar al-Bashir é alvo de 2 mandados de captura pelo Tribunal Penal Internacional, pelos mesmos crimes contra a humanidade.
A comparência do ex-Presidente sudanês, surge dias depois da assinatura de um acordo entre militares e a Frente da Liberdade e da Mudança prevendo um Conselho soberano para supervisionar um período de transição até um governo sair de eleições livres e democráticas. ANG/RFI



terça-feira, 20 de agosto de 2019

ANG


“Uma agência de notícias pode contribuir para o desenvolvimento de um país”, diz o DG

Bissau, 20 Ago 19 (ANG) - O Director-geral da Agência de Notícias da Guiné (ANG) afirmou esta terça-feira que, uma agência de noticias pode contribuir para o desenvolvimento de um país com informações que divulga e que podem sensibilizar vários parceiros.
Salvador Gomes DG da ANG

Salvador Gomes sustentou que as  agências fazem tratamento factual dos acontecimentos e isso as coloca mais perto da verdade, pelo que os projectos, as necessidades e as fraquezas de uma país são melhor “publicitadas” pelas agências de notícias.

Gomes falava em entrevista à Rádio Voz de Quelélé  e  ANG, no âmbito  dos 44 anos de existência do órgão, hoje assinalada.

Explicou que as agências são   grossistas de informação, noutros  quadrantes  consideradas o porta-voz de Estado no exterior, e com funções de produzir e distribuir  notícias para outros órgãos.

Referindo-se ao órgão que dirige há 17 anos, disse que a ANG viveu momentos altos e baixos, salientando que nos primeiros anos de independência a imprensa nacional e estrangeira dependiam da ANG no que diz respeito as informações relacionadas às regiões.

“Antes do conflito militar de 07 de Junho de 1998 a Agência  funcionava de forma normal mas depois da  guerra entrou em ruínas. A nossa sede serviu de caserna das tropas senegalesas. Terminada a guerra até computadores avariados desapareceram da ANG”, disse.

Perante esta situação,o então director, Pedro Albino teve que providenciar um projecto de relançamento da ANG mas que não foi implementado conforme previsto, apesar de ter beneficiado de um apoio financeiro que cobria cerca de 80 por cento das necessidades previstas.

Salvador Gomes sublinhou que actualmente as dificuldades que a ANG enfrenta são imensas, e que a maioria das pessoas que lá trabalham  é funcionário não efectivo, com cinco meses de subsídio em atraso.

Gomes disse que a efectivação do pessoal na Função Pública é uma das prioridades, tendo acrescentado que por isso, está a evidenciar os seus esforços junto do novo Secretário de Estado da Comunicação Social para efectivar mais pessoas, inclusive  os correspondentes regionais, uma vez que os mesmos garantem maior cobertura  à uma agência de notícias.

“ É nossa obrigação, enquanto órgão do estado, acompanhar o dia-a-dia das populações do interior. Na prática, até aqui, temos concentrado mais em acontecimentos oficiais em detrimento de assuntos em que o sujeito da notícia são as nossas populações”, sustentou.
 Referiu que a ANG já perdeu muitos quadros devido a dificuldades do órgão e que há o risco de se perder mais quadros.

A ANG funciona actualmente com nove jornalistas, dois técnicos informáticos, um electricista e oito pessoal administrativo, e com duas plataformas de divulgação das suas produções : um blogue(angnoticias.blogspot.com) e um site(www.ang.gw). Não tem internet próprio, utiliza uma linha wifi do Nô Pintcha muito precária, que nem consegue abrir o site.

O órgão que, por lei, é proibido de fazer publicidades, do Estado só recebe o pagamento de salários. ANG/AALS//SG




ANG


Presidente de sindicato de base considera os 44 anos do órgão de “retrocessos e sacrifícios”

Bissau, 20 Ago 19 (ANG) – O Presidente de Sindicato de Base de Agência de Notícias da Guiné (ANG), considerou hoje que os 44 anos da existência daquele Órgão Público da Comunicação Social são de sacrifícios para os seus sucessivos funcionários.

Em entrevista exclusiva á ANG, Costa Nbonda revelou que o Sindicato de Base de ANG, no dia 9 de Agosto de 2010, conseguiu reunir com o governo na altura, para assinar um memorando de entendimento sobre a remuneração salarial dos funcionários de ANG, e de outros órgãos que fazem parte da Confederação dos Sindicatos dos Órgãos de Comunicação Social Públicos.

Aquele responsável acrescentou por outro lado que, depois de sucesso alcançado na negociação com então ministra da Comunicação Social na altura Adiato Djaló Nandigna, os funcionários dos referidos Órgãos passaram a beneficiar de uma remuneração salarial motivante, em relação ao anterior que não chegava para comprar arroz e muito menos pagar o arrendamento de casa.

 “Todo o esforço e desempenho demonstrado pelos quatros sindicatos foram interrompidos pelos governos de transições, que decidiram cortar sem alguma explicação a remuneração salarial alcançado em 2010, provocando assim mais dificuldades nos quatros Órgãos Públicos da Comunicação Social nomeadamente a Agência de Notícias Guiné (ANG), Rádio Difusão Nacional (RDN), Jornal No Pintcha (JNP) e a Televisão da Guiné-Bissau (TGB)”, sustentou Nbonda.

Questionado sobre o que o sindicato tem feito nos últimos tempos para a efectivação dos seus funcionários, Costa disse que é uma luta constante que o sindicato que dirige tem enfrentado ao longo dos anos com sucessivos governos.

“Nas exigências que apresentamos o patronato nos encontros que realizamos têm sempre a ver com a efectivação dos estagiários assim como a criação de condições laborais para os funcionários”, disse Costa Nbonda.

Para o sindicalista, o actual Secretário de Estado de Comunicação Social, João Maria Batica Ferreira deve se engajar na resolução dos problemas que afectam os quatros órgãos, para assegurar seus melhores funcionamentos.

A Agência de Notícias da Guiné (ANG) foi criada a 20 de agosto de 1975.
ANG/LL//SG

Presidenciais 2019


         Serifo Nhamadjo confirma participação  nas  primárias do PAIGC

Bissau, 20 Ago 19 (ANG) – O ex-Presidente da República de Transição anunciou  segunda-feira a sua candidatura  às eleições primarias do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), para a escolha do candidato do partido para as  presidenciais de novembro.

Serifo Nhamadjo, citado pela Rádio Pindjiquiti, disse que enquanto militante dos libertadores está  à disposição do PAIGC, salientando que as primárias são um exercício democrático interno que permite aos militantes escolherem o candidato para as presidenciais.

Nhamadjo alega que, politicamente, os guineenses estão bem divididos e que é preciso alguém que pode fazer a ponte, que seja  dialogante, e capaz  de sofrer para congregar as pessoas na diversidade para um objectivo.

“Pensamos que podemos estar perto dessa pessoa, entre muitas figuras existentes, e  achamos que o nosso projecto tem condições de o fazer e é isto que me motivou a avançar para esta corrida”, disse.

O político apelou ao líder do PAIGC Domingos Simões Pereira a não avançar para as primárias porque está  preparado para o executivo, salientando que, provavelmente juntos, podem fazer grandes coisas e serem uma dupla que vai tirar maior proveito.

Disse entretanto  compreender que , como militante,  ele(DSP) deve estar sob pressão que o deixa sem alternativa.

“Pensando bem, ele tem alternativa que seria ele, como presidente do partido, devia marcar a sua equidistância deixando os militantes concorrerem  e quem for escolhido aí ele aparece como pai da família para caminharem juntos”, disse. ANG/MSC//SG

Presidenciais 2019


Embaixador dos EUA apela políticos para evitarem desculpas que possam afectar realização de eleições na data prevista

Bissau, 20 Ago 19 (ANG) – O Embaixador dos Estados Unidos de América apelou esta segunda-feira aos políticos guineenses para evitarem quaisquer desculpas que possam afectar a realização das eleições presidenciais a 24 de Novembro de 2019.

Tolinabo Muchinge citado pela Rádio Capital FM,  proferiu estas afirmações a saída de um encontro com o Chefe do governo, Aristides Gomes, com quem abordou assuntos relacionados com a correcção dos cadernos eleitorais, utilizados nas legislativas de março passado, para que eleitores que não tinham votado pudessem exercer os seus direitos de votos nas presidenciais de novembro próximo.

O diplomata americano disse que concorda com essas correções, uma vez que se trata da lista de eleitores usada nas legislativas passada aceite por todos os intervenientes no processo, apesar de ter alguns problemas.

“Não começar um novo recenseamento porque não há tempo e o povo não deve continuar a esperar. Deve-se evitar qualquer desculpa que possa afectar a realização doas eleições presidenciais em Novembro deste ano “,disse.

Tolinabo Muchinge confirmou o apoio dos Estados Unidos para as presidenciais e revelou que já foi feito um pedindo ao Washington para o efeito. ANG/MSC//SG


segunda-feira, 19 de agosto de 2019

ANG


    Ex-Diretor-geral  apela ao governo para dar mais atenção ao órgão

Bissau, 19 Ago 19 (ANG) – O Ex-Diretor-geral da Agência de Notícias da Guiné (ANG), apelou hoje ao governo para dar mais atenção a este órgão, que na terça-feira assinala 44 anos de sua criação.

Em entrevista exclusiva à Agência de Notícias da Guiné (ANG), João Quintino Teixeira disse que o problema que afecta a ANG não é novidade para aqueles que lidaram com o referido órgão ao longo dos anos.

“Os sucessivos governantes nunca priorizaram a ANG como órgão responsável para a produção de notícias para   outros órgãos. Durante o tempo em que fui nomeado para dirigir aquele órgão, a minha maior preocupação era fazer  aos governantes entenderem qual o papel e a importância de uma agência de noticias”, revelou.

João Quintino Teixeira acrescentou  que a ANG precisa de trabalhar com os correspondentes regionais, como forma de manter o país inteiro informado dos acontecimentos que lá ocorrem.

“Antes e depois da minha ida para a ANG, esse órgão já tinha correspondentes espalhados em algumas regiões do país, e com a minha chegada tentamos dinamizar o trabalho de correspondentes mas, até um certo ponto, a falta de apoio do governo não permitiu que a ANG assegurasse a permanência dos seus correspondentes nas regiões, que desempenhavam um papel  extremamente fundamental para a ANG e cobertura regional”, afirmou João Quintino.

Referiu que a ANG produzia um Boletim Informativo que fornecia as embaixadas e  entidades oficiais, algo que considerou importante para arrecadação de alguns fundos internos .

João Quintino Teixeira sustentou que para que este órgão funcione bem e desempenhe melhor a sua missão, deve ser equipado conforme as suas  necessidades , e melhoradas as condições de trabalho aos seus jornalistas e técnicos.

João Quintino Teixeira foi director-geral da ANG em 1993.
A ANG foi criada a 20 de agosto de 1975 com a missão de promover a imagem da Guiné-Bissau no exterior.

Segundo Lucete Djawara, a primeira Directora-geral da ANG, “o então governo teve a necessidade de promover a imagem de que a Guiné-Bissau, saída de uma guerra de 11 anos, estava então a lutar pelo desenvolvimento em   condições frágeis pelo que nessiatava de apoio dos parceiros internacionais”.
ANG/LLA/ÂC//SG  
   

Política


             PRS discorda com  correção do caderno eleitoral

Bissau, 19 Ago 19 (ANG) – O Partido da Renovação Social (PRS) discordou com o Plano Operacional de Consolidação de registo e correção das omissões do caderno eleitoral.

A manifestação da discórdia foi proferida pelo líder da bancada dos Renovadores, Sola Nquiilin Na Bitchita, hoje à  saída da audiência com Presidente da República cessante.

Sola Nquilin disse que a Lei Eleitoral guineense prevé dois tipos de recenseamento, o de raiz ou atualização do caderno eleitoral, acrescentando que não sabem enquadrar esta correção no caderno que a Comissão Nacional das Eleições (CNE)está a  fazer.

“É esta preocupação que nos trouxe ao Chefe de Estado cessante para analisarmos em conjunto para que possamos ver como fazer um recenseamento bem feito,” frisou.

Questionado se a inclusão dos nomes que não constavam no Caderno Eleitoral fazia parte das exigências do PRS, o político disse   achar que todos os recenseados devem ter a possibilidade de votar nas próximas eleições presidenciais de 24 de Novembro.

As autoridades eleitorais inciaram no dia 17 os trabalhos de correcção  dos cadernos eleitorais para inclusão de nomes de eleitores que se recensearam mas que não votaram nas lesgislativas de março . ANG/JD/ÂC//SG



Imprensa


        Directores-gerais da TGB e INACEP suspensos das suas funções

Bissau, 19 Ago 19 (ANG) - Os Directores-gerais e os Membros de Conselho de Administração da Televisão da Guiné-Bissau (ANG) e da Imprensa Nacional / Empresa Pública (INACEP) foram suspensos das suas funções, refere um despacho do Secretário de Estado da Comunicação Social.
Secretário de Estado da Comunicação Social

No referido despacho à que a ANG teve acesso, justifica que a decisão visa  imprimir uma nova dinâmica e  reestabelecer um ambiente laboral na TGB e INACEP.

“Ficam suspensas das suas funções, enquanto se aguarda pela devida homologação em Conselho de Ministros, os senhores Daniel Miguel de Barros e Vladimir Lenin Djomel, respectivamente Director geral da Televisão da Guiné-Bissau e Inacep-EP”, lê-se no despacho.

Para ocupar os lugar dos suspensos foram indigitados  Zaim Pereira de Jesus e António Pedro Delgado,para coordenarem as comissões de gestão de assuntos correntes da TGB e a INACEP respectivamente. ANG/AALS/ÂC//SG


Presidenciais 2019


  José Mário Vaz  promete anunciar seu futuro político nos próximos dias  

Bissau,19 Ago 19(ANG) – O Presidente da República cessante, José Mário Vaz promete anunciar nos próximos dias se vai ou não se recandidatar  para a sua própria sucessão nas próximas eleições presidenciais, marcadas para o dia 24 de Novembro.

José Mário Vaz que falava no sábado em Bissau, num encontro promovido pela Plataforma Juvenil de Apoio à sua recandidatura, afirmou que foi um grande orgulho receber o convite desta organização para voltar a ser o candidato às presidenciais de 24 de Novembro.

“Quero vos informar que foi com  grande orgulho que recebo o convite da Plataforma. Há menos de 45 dias estivemos neste mesmo lugar com a estrutura do Movimento de Apoio à Botche Candé e que me endereçou igualmente o convite com o mesmo objectivo”, disse.

O Presidente da República cessante disse que ouviu os pedidos e as razões evocadas pela Plataforma Juvenil para a sua recandidatura às presidenciais e que para o efeito pondera dar resposta nos próximos dias.

“Simplesmente vocês confiaram na minha pessoa nas eleições de 2014. Eu sou apenas um soldado da República da Guiné-Bissau e a minha obrigação de facto é de ir ao encontro da missão a que me foi incumbida”, referiu.

José Mário Vaz sublinhou que a sua missão na Presidência da República ficou marcada por duas coisas que nunca esquecerá até à morte. “Quero vos informar que eu tinha um amigo e que partilhávamos a mesma casa. Este meu amigo cujo nome não vou revelar, as pessoas foram buscá-lo e, por engano ,bateram na minha porta e isso provocou pânico à minha família porque julgavam que eu era o visado”, explicou.

“Quero vos dizer que levaram este meu amigo e até hoje as suas famílias desconhecem o local onde foi  morto e enterrado. Foi por esta razão que, quando aceitei o desafio de concorrer as eleições de 2014,  afirmei que nunca mais aceitaria  que alguém seja morto de qualquer maneira na Guiné-Bissau”, disse.

Afirmou que, a segunda coisa que lhe marcou, foi quando o falecido Presidente da República, João Bernardo Vieira o escolheu quando era muito novo, para ser o seu mandatário nas eleições presidenciais de 1994, no meio dos seus colegas combatentes da liberdade da pátria.

“Nunca sonhei que hoje em dia vou sentar na sua cadeira presidencial e a discursar como se fosse ele naquela altura”, frisou, acrescentando que cada um colhe o fruto da sementeira que lavrou.

Disse que o desenvolvimento da Guiné-Bissau é irreversível  e que conta com a colaboração de todos sem excepção.

Por sua vez, Ludimila Akmedju, em nome da Coordenação da Plataforma Juvenil de Apoio a Recandidatura de Jomav sublinhou que os motivos que nortearam o referido pedido, têm a ver com a credibilidade  dos  projectos executados por José Mário Vaz durante os cinco anos de sua  presidência .

“Uma outra razão é o facto de ser  o único Presidente da República que terminou o seu mandato e por ser ele o garante da estabilidade e  paz na Guiné-Bissau”, disse a concluir Akmedju.ANG/ÂC//SG


sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Presidenciais 2019


             MADEM G-15 pede novo recenseamento de raiz de  eleitores  

Bissau,16 Ago 19(ANG) – O Movimento para Alternância Democrática (MADEM G 15), defendeu a realização de novo  recenseamento de raiz de eleitores, antes das eleições presidenciais marcadas para 24 de Novembro próximo.

Em declarações à imprensa quinta-feira, a saída de um encontro com o Presidente da Comissão Nacional de Eleições, o porta-voz do MADEM G-15 Gibril Arsénio Baldé disse que a sua formação política defende o novo recenseamento tendo em conta “todas as anomalias verificadas no processo das legislativas passadas”.

“Durante o recenseamento para as eleições legislativas, houve recusa ao direito dos cidadãos que não foram recenseados. O recenseamento foi considerado teoricamente de biométrico mas que milhares de pessoas não foram inscritas e outros até registaram  mas foram lhe  recusados o direito de votar”, sustentou.

O porta-voz do MADEM G-15 acrescentou que hoje em dia a Comissão Nacional de Eleições vem desmentir as informações avançadas pelo Governo de que não foram os 200 mil pessoas que ficaram fora do recenseamento passado e que foram apenas pouco mais de vinte e dois mil.

“Tudo isso para nós justifica a necessidade de fazer um novo recenseamento e, se por via de consenso de todos os actores políticos entendemos que não pode ser isso, então poderemos procurar outras soluções que inclua a necessidade recensear aqueles que ficaram de fora nas eleições passadas”, afirmou.

Gibril Arsénio Baldé defende ainda que o recenseamento eleitoral seja supervisionado por uma entidade independente e que não seja só o Governo a supervisionar.

A Guiné-Bissau realiza as eleições presidenciais à 24 de Novembro e o Governo apresenta hoje, o Plano Operacional para a Consolidação do Registo Eleitoral,  estando previsto para amanhã, dia 17 ,o início das correcções das omissões verificadas nos Cadernos Eleitorais utilizadas nas eleições legislativas de março passado, trabalhos que vão prolongar até o dia 15 de Setembro. ANG/ÂC//SG