quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Crise política



Estados Unidos de América apelam formação de um governo de inclusão na Guiné-Bissau

BISSAU, 23 Ago 17 (ANG) – O Novo embaixador dos Estados Unidos de América para a Guiné-Bissau e Senegal apelou terça-feira aos  políticos guineenses, para optarem na formação de um governo de inclusão nacional de forma a ôor fim a crise política vigente no pais.

Em conferência de imprensa, Tulinabo Mushingi, disse ser  uma honra estar na República da Guiné-Bissau como novo Embaixador dos Estados Unidos de América.

“Nos, os Estados Unidos de América, instamos aos actuais líderes a tomarem prontamente medidas que promovam o consenso e permitam a criação de um governo inclusivo. Isso pressupõe juntar líderes políticos de todas as alas e priorizar os interesses nacionais”, disse o Embaixador.

O diplomata americano explicou que um governo inclusivo que serve o seu povo é pré-requisito para o sucesso económico-financeiro para o seu pais, ao passo que a instabilidade política constitui barreira para potenciais investimentos.   

Aquele diplomata sublinhou que  a Guiné-Bissau atravessa um momento de impasse político, razão pela qual   todas as Organizações Internacionais, incluindo o Conselho de Segurança das Nações Unidas declararam que a implementação do “Acordo de Conacry” continua a ser a melhor forma de saída da crise política que assola o pais.

De acordo com aquele diplomata, as partes envolvidas na crise podem contar com o apoio dos Estados Unidos de América, na busca de solução para pôr  cobro ao impasse político na Guiné-Bissau.

“Continuamos firmes e comprometidos com o povo da Guiné-Bissau, continuaremos a apoiar um leque de programas de formação para jornalistas, no domínio da língua inglesa, programas de saúde pública, agricultura e cooperação na área de segurança”, disse.

Tulinabo Mushingi realçou ainda que o investimento privado será a chave de sucesso para o futuro da Guiné-Bissau, acrescentando que empresas Norte Americanas estariam interessadas em investir nas áreas de fosfato, energia, petróleo, gás e telecomunicações. 

ANG/LLA/JAM/SG


    





Peregrinação



Estado disponibiliza mais de 150 milhões de Cfa para apoiar a deslocação dos fiéis guineenses

Bissau, 23 ago 17 (ANG) – O Estado da Guiné-Bissau ofereceu um acréscimo de 300 mil francos Cfa a cada um dos 510 peregrinos da Guiné-Bissau que nos próximos dois dias viajam para a cidade santa de Meca para o cumprimento do quinto pilar do Islão. 

A informação foi avançada à imprensa terça-feira pelo Coordenador Nacional do Alto Comissariado para Peregrinação aos Lugares Santos, Dino Seidi, ao proceder ao balanço dos trabalhos desenvolvidos por esta organização.

Este responsável explicou que os 2.5 milhões de Francos Cfa pagos por cada peregrino não eram suficientes para cobrir as despesas de viagem, alimentação, alojamento, deslocações  internas e per-diem, pelo que o próprio Estado teve que intervir para superar o problema.

“Convêm aqui referir que o Presidente da República obteve e ofereceu de imediato mais de 300 bolsas de peregrinação à pessoas mais carenciadas”, destacou Dino Seidi que lamentou o atraso no início dos trabalhos este ano, mas que no entanto não impossibilitou o sucesso obtido.  

Os peregrinos guineenses serão divididos em dois grupos, sendo que o primeiro devera deixar o país no próximo dia 24 e o segundo seguir-lhe-á no dia seguinte, explicou ainda o Coordenador Nacional.

Os elementos do Alto Comissariado, segundo o Coordenador, tiveram que desdobrar-se em três equipas que trabalharam em estreita colaboração em Bissau, Dakar, Senegal e na Arábia Saudita, o que possibilitou o sucesso que agora se constata em relação a campanha deste ano.  

 ANG/JAM/SG



Níger



Policias condenados à prisão efetiva por baterem num estudante numa manifestação em Abril passado

Bissau, 23 Ago 17 (ANG) - Três polícias foram condenados terça-feira a um ano de prisão efectiva e ao pagamento de 15 milhões de francos cfa de indemnização pelo Tribunal de Grande Instância de Niamey, Níger por terem batido num estudante, aquando das manifestações de 10 de Abril passado.

“O estudante sob efeito de golpes de matraca foi obrigado a gritar alto e em bom som e por várias vezes, abaixo o USN, viva a polícia”, refere a Agência de Informação do Níger (ANP)
Segundo a ANP, os agentes implicados foram desmascarados através de um vídeo divulgado nas redes sociais, e foram detidos por ordem dos seus chefes que os acusam de violação da ética e deontologia que regem os serviços de manutenção da ordem pública.

Segunda-feira, 10 de Abril deste ano, os estudantes da Universidade Abdou Moumouni de Niamey, desencadearam uma manifestação reivindicando o cumprimento do protocolo de acordo assinado com o governo relativo ao pagamento de bolsas em atraso e d apoio social.

A intervenção das forças de defesa e de segurança no estabelecimento universitário se generalizou, e um estudante de terceiro ano de sociologia, Mallah Kelloumi Bagalé foi morto, vítima de um tiro disparado por um polícia não identificado, segundo o relatório da comissão de inquérito independente entregue ao primeiro-ministro, no passado dia 17 de Agosto. 

O referido relatório deu conta da existência de muitos feridos tanto da parte de  estudantes como da das forças da ordem. 

ANG/FAAPA