sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Segurança alimentar

Governo, PAM e FAO rubricam protocolo de acordo
Bissau 26 ago. 16 (ANG) – O Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural (MADR), o Programa Alimentar Mundial (PAM) e o Fundo Alimentar Mundial (FAO) rubricaram hoje um protocolo de acordo com vista ao reforço da autossuficiência alimentar na Guiné-Bissau, através do Sistema de Seguimento da Segurança Alimentar (SISSAN).

Na ocasião, o Ministro da Agricultura, Rui Nené Djata destacou a importância do acto assegurando que vai reforçar o bom relacionamento entre os assinantes do acordo.

“O objectivo primordial do MADR neste momento, é implementar novas abordagens de enquadramento camponês, assim como de técnicas melhoradas nos diferentes sistemas de produção, a baixo custo, tendo em conta os costumes e as tradições étnoculturais e climáticos de cada zona do país”, disse.

Segundo Djata a medida vai aumentar, e de forma sustentável, a produção e a produtividade agro pastoril e contribuir para a redução de insegurança alimentar e nutricional das populações.

Por sua vez, a representante do PAM, Kiyomi Kawaguchi, disse que a ocasião serve para celebrar a reactivação de um melhor programa de monitoramento e seguimento do sistema de segurança alimentar e nutricional, em benefício da população nacional.

“Este sistema vai facilitar aos actores de políticas públicas e a população em geral na obtenção de informações, em termos de segurança alimentar, nas diferentes tabancas do país e ainda poderem responder, o mais rápido possível e adequadamente, mediante a necessidade das pessoas”, afirmou.

Kiyomi Kawaguchi disse que as informações do SISSAN, emitidas em tempos reais, sobre as populações, permitirão aos actores de políticas públicas adequarem as suas intervenções nas tabancas para evitar que as populações se deparassem com problemas de má-nutrição.

Para a representante do FAO, Maria Vale Ribeiro, a assinatura do acordo contribuirá para a identificação das ferramentas de análise e dados necessários para a melhoria da vida da população, em particular da mulher e das crianças.

“Sem dados fiáveis é impossível planificar ou responder, à tempo, a situação alimentar do país”, defendeu.

Para Maria Ribeiro, os dados também têm um aspecto de planificação a fim de permitir que os investimentos sejam feitos nas zonas do país onde são precisos.

O SISSAN será responsável pela organização da estrutura operacional encarregue da implementação do sistema de seguimento da segurança alimentar no país.  

ANG/FGS/SG

SINAMAR


Presidente do sindicato critica critério de recrutamento de marinheiros

Bissau, 26 Ago 16 (ANG) – O presidente do Sindicato Nacional de Marinheiros voltou hoje a insurgir-se contra forma como os marinheiros são recrutados para trabalhar nos navios de pesca.

Em entrevista à ANG, João Cá criticou que o recrutamento pelos armadores agora é livre , o que tem possibilitado o recrutamento de trabalhadores marginais  sem contrato. 

Referiu que o recrutamento por escala foi extinto desde 2014, e tem prejudicado os marinheiros profissionais.

João Cá afirmou que o governo nunca convidou o sindicato como parceiro para participar na assinatura de acordos de pescas, visando dar o seu parecer, tendo em conta que o SINAMAR é a única entidade competente para balizar a política dos marinheiros.

João Cá considera que a Guiné-Bissau não tem estado a usufruir, tal como deve, das suas riquezas marítimas. 

“O pescado é descarregado e vendido no Senegal além do combustível que é vendido aos armadores”, sustentou. 

ANG/JD/SG                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

Pesca ilegal


Ministérios do Interior e da Justiça acordam  combater práticas ilícitas

Bissau,26 Ago 16(ANG) – Os Ministérios do Interior e da Justiça assinaram recentemente um acordo de colaboração institucional para o combate às práticas ilícitas concretamente a pesca ilegal e o tráfico de drogas e demais crimes organizado nas zonas insulares.

Para o efeito, o ministro de Estado do Interior anunciou a aquisição para breve de duas vedetas rápidas para a fiscalização marítima, combate ao crime organizado e proteger as águas territoriais do país

Segundo o jornal Nô Pintcha, Botche Candé pediu aos agentes da Guarda Nacional para demonstrarem a sua total disponibilidade, competência e vontade  em defender e proteger os recursos marinhos do país.

“Devem demonstrar que a vontade não vos falta mas sim os recursos materiais é que são escassos. Por isso, essas duas vedetas devem ser o início de vários outros apoios que vão receber para da melhor maneira, exercerem as vossas funções”, aconselhou o governante.

O titular da pasta do Interior sublinhou que os parceiros financiadores têm a consciência das limitações das referidas vedetas, mas, segundo referiu, servirão de teste à vontade e capacidade dos agentes de fiscalização marítima.

Ao falar sobre o tráfico de drogas no país, Botche Candé afirmou que a sua erradicação só será impossível se eles mesmo forem traficantes ou beneficiários deste fenómeno terrível, acrescentando que não duvida do nível de formação dos seus técnicos em matéria criminal.

O ministro do Interior advertiu ao Secretário de Estado da Ordem Pública ao Comissário Nacional da Ordem Pública e ao Comandante da Guarda Nacional de sobre a necessidade de enfrentarem com firmeza todos os crimes que afectam negativamente a sociedade guineense.

Por sua vez, o ministro da Justiça, Luís Olundo Mendes disse que vai entregar o referido acordo institucional ao representante especial do Secretário-geral da ONU na Guiné-Bissau, Modibo Turé, enquanto parceiro financiador para a aquisição das duas vedetas rápidas.

“Da parte do Governo guineense todos os passos estão definidos. Resta agora as diligências dos parceiros para a vinda dos mesmos navios permitindo a Guarda Nacional fazer o seu trabalho”, explicou.

O acordo visa reduzir e se possível  acabar mesmo com as denunciadas actividades de pesca ilegal por parte dos navios estrangeiros e eventuais acções de tráfico de drogas nas zonas insulares.

ANG/Nô Pintcha

Sociedade Civil sub-regional


Guiné-Bissau eleita membro do Comité Executivo do FOSCAO

Bissau,26 Ago 16 (ANG) – A Guiné-Bissau foi eleita como membro do Comité Executivo do Fórum da Sociedade Civil da Africa Ocidental (FOSCAO), no sétimo encontro que decorreu entre os dias 15 e 16 do mês em curso em Abuja capital nigeriana.

De acordo com o Jornal ” Nô Pintcha”, o Comité Executivo da organização é composta por 11 membros, sendo quatro francófonos, quatro anglófonos, dois lusófonos e um representante da diáspora Oeste – Africana substituído agora pela juventude.

A eleição da nova direcção liderada pelo Senegal com mandato de dois anos renovável e rotativo em função do género e do país, foi organizada com o apoio do Instituto da Sociedade Civil da Africa Ocidental.

Após a sua eleição a nova Presidente do Foscao afirmou que a África Ocidental é a região mais avançada em matéria da integração e da solidariedade interior.

Khady Fal Tall prometeu dinamizar a organização e mobilizar as mulheres determinadas para fazerem uma frente comum, tendo advertido a todos a terem em mente o compromisso com a organização.

Por seu turno, o representante da Guiné-Bissau na estrutura mostrou-se satisfeito e honrado em representar o país no evento.

Paula Silva de Melo, igualmente responsável financeira da Plataforma Politica das Mulheres, agradeceu a confiança pela eleição e prometeu dar a sua contribuição para o engrandecimento do Foscao, tendo acrescentado que a vitoria é de todas as mulheres guineenses.

O Foscao tem como objectivo canalizar para a Sociedade Civil energias que complementam a integração e o desenvolvimento regional na agenda das instituições da CEDEAO.

A direcção liderada pelo Senegal tem como primeiro vice-presidente, a Nigéria, segundo vice-presidente Cabo  Verde e conta como membros,  a Guiné-Bissau,  Níger,  Burkina Faso,  Mali,  República da Guiné Conacri,  Serra Leoa,  Gambia e o Gana. A cerimonia desde ano contou com presença de 15 países do espaço da CEDEAO. 

ANG/Nô Pintcha





Politica


PAIGC e PRS  analisam cenários para saida da crise vigente no país 

Bissau, 26 Ago. 16 (ANG) - Os dois principais partidos no parlamento da Guiné-Bissau analisam hoje cenários para “saída da crise” que assola o país com uma agenda definida.

Fontes dos dois partidos indicaram à Lusa, que nessas rondas negociais estarão em análise, entre outros pontos, a possibilidade de ser criado um Governo de consenso e de incidência parlamentar. 

De acordo com as mesmas fontes hoje a tarde uma delegação negocial do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) desloca-se à sede do Partido da Renovação Social (PRS) e na terça-feira próxima  será a vez de o PAIGC receber na sua sede, o PRS.
.
O PAIGC venceu as últimas eleições legislativas na Guiné-Bissau, obtendo 57 mandatos no Parlamento, mas passa por uma crise interna com 15 dos deputados a serem excluídos da sua bancada.

A crise interna levou a que o partido esteja neste momento arredado do poder, tendo sido substituído pelo PRS, que conta com 41 mandatos no Parlamento, os quais associou os 15 deputados expulsos do PAIGC, para reclamar uma nova maioria no hemiciclo.

Em nome do PAIGC, Manuel dos Santos disse que o encontro marca a retoma das conversações entre os dois partidos desavindos há mais de um ano, e servirá para a procura de soluções com vista a viabilizar o país.

“Vamos discutir os assuntos candentes do país”, sublinhou Manuel dos Santos, antigo ministro e veterano da luta pela independência da Guiné e Cabo Verde.

 Por seu turno em nome do PRS, Carlitos Barai, afirmou que o seu partido respondeu a um convite formulado pelo PAIGC “como mandam as regras de uma boa convivência" entre forcas políticas.

O deputado destacou que o seu partido recebeu do PAIGC uma proposta contendo três cenários para a saída da crise, os quais não quis revelar, adiantando que  irão ser analisados pelos órgãos internos do PRS,teno frisado que, ainda é cedo para falar em qualquer entendimento entre as partes . 

ANG/LUSA

Politica


“José Eduardo dos Santos pode ser um factor positivo junto das entidades políticas da Guiné-Bissau”, diz Presidente do PAIGC 

Bissau,26 Ago 16(ANG) - O líder da Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, considerou o presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, uma referência na promoção da unidade e coesão, o que, certamente, poderá ser um factor positivo junto das entidades políticas do seu país.

Simões Pereira, que foi convidado ao VII Congresso do MPLA, realizado de 17 a 20 deste mês, falava à imprensa, após ter sido recebido, em audiência, por José Eduardo dos Santos, quinta-feira, em Luanda.

Domingos Simões reconheceu que o momento que se vive na Guiné Bissau é uma situação que decorre de várias vicissitudes, tendo manifestado a convicção de que os actores políticos estão comprometidos em encontrar uma solução negociada da qual participem todas as forças políticas activas do país.

"Apesar da situação ser difícil, com diálogo tudo pode se ultrapassar, pois, o presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, recomendou diálogo, respeito pelos órgãos de soberania, pelas instituições", referiu o responsável do PAIGC.

"Devemos ser capazes de encontrar entendimento que permita ultrapassar as dificuldades no nosso país", sublinhou Simões Pereira, defendendo que o entendimento deve ser entre os próprios guineenses.

Reconheceu, contudo, que o período de instabilidade que vive o seu país já é longo, sendo, em algumas situações, necessário a contribuição de países irmãos ou amigos que queiram partilhar a sua experiência para ajudar a recuperar a confiança, que, de alguma forma, está perdida entre os actores políticos na Guiné Bissau. 

ANG/ANGOP

Política


Presidente da República insta forças políticas para se entenderem no parlamento

Bissau,26 Ago 16(ANG) - O Presidente, José Mário Vaz, incentivou hoje as principais forças políticas no Parlamento guineense a entenderem-se para acabar com o impasse político  que se assiste no país há mais de um ano.

O Presidente guineense fez estas consideracoes em declarações aos jornalistas  quando chegou a Bissau, vindo do Congo Brazzaville, país que visitou entre quarta e quinta-feira, não tendo, afinal, viajado para o Sudão, como tinha sido anunciado na sua partida.

Fonte da presidência guineense indicou à Lusa que José Mário Vaz deve viajar para o Sudão no domingo, para uma visita de trabalho.

Ao ser questionado sobre as negociações entre o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e o Partido da Renovação Social (PRS), as duas principais forças no Parlamento, mas desavindas, José Mário Vaz disse que encoraja qualquer entendimento, embora ainda não esteja na posse de todos os elementos.

“Estou a chegar de uma viagem, mas todas as propostas são importantes. O importante é que haja o entendimento entre os guineenses, que haja diálogo entre nós todos na busca de uma solução para o bem do país e do nosso povo”, observou o Presidente guineense.

Os dois partidos, PAIGC e PRS, reúnem-se na sexta-feira, para a busca de bases para a formação de um Governo de Unidade Nacional.

Sobre a sua visita ao Congo, José Mário Vaz afirmou ter-se tratado de “uma visita do irmão mais novo ao irmão mais velho”, referindo-se ao chefe de Estado congolês, Denis Sassou Nguesso, que disse não ser “um Presidente qualquer, mas sim uma pessoa com muito peso não só em África como no mundo”.

O líder guineense sublinhou ainda ter recebido de Sassou Nguesso conselhos no sentido de promover os valores de patriotismo, trabalho e paz na Guiné-Bissau, e ainda de  fazer tudo para que a crise política que assola o país cesse rapidamente.

ANG/Lusa

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Morte de dirigente do PND




Partido e Familiares de Aladje Baciro Embalo pedem justiça

Bissau, 25 ago. 16 (ANG) – Familiares e o Partido Nova Democracia (PND) pedem que seja feita a justiça pela morte de um militante do partido, Aladje Baciro Embalo, vulgo (Aladje Sidi Cantchungo) que terá sido assassinado a tiro no passado dia 19 de agosto do ano em curso, à porta da sua casa, em Gã Mamudo, sector de Mansoa, região de Oio, por um desconhecido.

A exigência consta num comunicado assinado pelo deputado do PND, Aladje Abubacri Demba Baldé, entregue hoje à ANG.

Segundo o comunicado, Aladje Sidi Cantchungo, terá sido surpreendido pelo assassínio, quando se preparava para ir realizar a sua oração de madrugada na mesquita local.

“Pedimos a justiça das autoridades regionais de Oio, que tiveram conhecimento pormenorizado da ocorrência da morte do Aladje Sidi Cantchungo”, disse.

Conforme o comunicado, o malogrado além de político exercera também funções de comerciante, criador de gado, agricultor e líder religioso.

A vítima nasceu no dia, 15 de março de 1956, em sare Badjane, sector de Cossé, região de Bafatá.

“O assassínio de Aladje Sidi Cantchungo foi dramático e causou um choque à comunidade local e família em particular”, lê-se no comunicado.  

ANG/FGS/SG