quinta-feira, 23 de março de 2017

Infraestruturas


        Primeiro-ministro promete reabilitar edifício “Cimeira dos Cinco”

Bissau, 23 Mar 17 (ANG) - O primeiro-ministro da Guiné-Bissau lamentou o estado do abandono em que foi votado o imóvel conhecido como “Cimeira dos Cinco” sito ao lado da Escola Salvador Allende, em Bissau. 

Umaro Sissoco , em declarações hoje à imprensa após a visita que efectuou ao referido prédio, prometeu a sua reabilitação para breve.

O chefe do executivo guineense disse que, com a sua reabilitação, pela República Popular da China, o imóvel  servirá de residência para futuros hóspedes que as autoridades nacionais venham a receber.

Sissoco Embaló criticou a política de apropriação do património de Estado, salientando que tais práticas situação não pode continuar, porque o país pertence à todos.

Interrogado sobre a situação da infuncionalidade da Assembleia Nacional Popular (ANP), reconheceu a existência de dificuldades criadas pelo não funcionamento do hemiciclo, contudo disse que o executivo está a empenhado a fazer o seu trabalho, acrescentando que cabe ao parlamento, os deputados e  partidos políticos  fazerem os seus.

Para justificar a vontade e seriedade dos membros do seu governo, o Primeiro- ministro indicou a aprovação pelo Conselho de Administração do Banco Oeste Africano de Desenvolvimento (BOAD) do apoio à eletrificação de 14 localidades do país.

Umaro Sissoco apelou na ocasião aos jovens a não participarem nas marchas encomendadas e disse que, se há algo em que se sentem lesados que contactem o primeiro-ministro para o apresentarem as suas preocupações, não pela via de manifestações.

Umaro Sissoco Embaló defendeu igualmente a moralização da sociedade que na sua opinião passa necessariamente pelo termino das greves e pela apostar na educação de qualidade.  
ANG/LPG/ÂC/SG

Banco Mundial

                            Financiamento recorde para a região

Bissau, 23 Mar 17 (ANG) - O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, anunciou quarta-feira, em Baden Baden, província da Alemanha,  57 mil milhões de dólares como financiamento para os países da África subsaariana nos próximos três anos fiscais.

Com este compromisso, explicou Jim Yong Kim, o Banco Mundial pretende trabalhar com os países, líderes e povos  africanos na expansão de programas em áreas como a educação, serviços básicos de saúde, água potável e saneamento, agricultura, ambiente de negócios, infraestruturas e reforma institucional. 

Jim Yong Kim referiu que os fundos também vão servir para aumentar investimentos e reduzir riscos associados a participação do sector privado na aceleração do crescimento e desenvolvimento.

“Isso representa uma oportunidade para mudar a trajetória de desenvolvimento dos países da região”, sublinhou Jim Yong Kim.


 Com vista a enfatizar o apoio da instituição financeira, Jim Yong Kim está a efectuar um périplo com passagem pelo Ruanda e Tanzânia.

A decisão foi tomada após a reunião com os ministros das finanças e governadores dos bancos centrais do G20, refere um comunicado da instituição financeira. 


A maior parte do financiamento, 45 mil milhões de dólares, vem da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA), o  fundo do Grupo Banco Mundial para os países mais pobres.

O financiamento à África Subsaariana inclui também uma estimativa de oito mil milhões em investimentos do sector privado da Corporação Financeira Internacional (IFC), uma divisão do sector privado do Grupo Banco Mundial.


E quatro mil milhões em financiamento do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento, uma divisão não concessionária do sector público. 

Em Dezembro, os parceiros de desenvolvimento acordaram um valor recorde de 75 mil milhões para a Associação Internacional de Desenvolvimento, um aumento baseado numa iniciativa inovadora para juntar as contribuições dos doadores para esta associação com os recursos internos do Banco Mundial e com os recursos captados nos mercados de capitais.
 

Espera-se que 60 por cento do financiamento da Associação Internacional de 
 Desenvolvimento sejam destinados à África Subsaariana, onde está mais de metade dos países elegíveis ao financiamento da associação, que vai estar disponível para o período conhecido como IDA18, que vai de 1 de Julho de 2017 a 30 de Junho de 2020.
ANG/JA

Inglaterra



                      Atentado em Londres perto de Westminster

Bissau, 23 Mar 17 (ANG) - Quatro pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas no ataque terrorista de quarta-feira no centro de Londres, junto ao Parlamento britânico.
 
O atentado de Londres teve lugar um ano após o triplo ataque terrorista ao aeroporto internacional de Zaventem e à estação Maelbeek, em Bruxelas, na Bélgica, que matou 32 pessoas e deixou outras 324 feridas.

Segundo o balanço da polícia, o ataque começou na ponte de Westminster e só terminou junto ao Parlamento britânico.

Na ponte, o atacante acelerou para cima dos transeuntes - matando três pessoas - e seguiu até ao palácio do Parlamento. Aqui, esfaqueou um polícia, que acabou por morrer no local. Ao que tudo indica, o homem tentava entrar no edifício, mas foi parado pela polícia após tiroteio.

Os relatos de que o ataque foi perpetrado por dois terroristas, estando ainda um suspeito em fuga, foram depois desmentidos pela polícia, que no balanço à imprensa ao fim da tarde de quarta-feira afirmou que o autor era apenas um homem, aquele que foi baleado junto ao Parlamento.

O deputado britânico e secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, Tobias Ellwood, está entretanto a ser elogiado pelas suas acções junto ao Parlamento. 

O governante tentou socorrer o polícia esfaqueado. A zona continuava quarta-feira totalmente isolada.

“O ataque começou quando um carro foi conduzido sobre a ponte de Westminster atropelando e ferindo um número de membros do público, incluindo três agentes da polícia”, afirmou Mark Rowley, comissário adjunto e director das forças antiterrorismo. “O carro depois bateu perto do Parlamento e pelo menos um homem armado com uma faca continuou o ataque e tentou entrar no Parlamento”.

Uma mulher que terá caído da ponte (ou se terá atirado fugindo do ataque, não é claro exactamente o que aconteceu) foi a meio da tarde de quarta-feira retirada do Rio Tamisa. Segundo os media britânicos, está viva mas ferida.

A polícia britânica informou desde o primeiro momento que o incidente estava a ser tratado como um acto terrorista.

Pessoas atropeladas na ponte foram assistidas por outros transeuntes ainda antes de a polícia chegar ao local. Entre os feridos estão três adolescentes franceses que estavam numa visita de estudo a Londres e foram atropeladas na ponte. Pertencem à escola Saint-Joseph de Concarneau.

Um político polaco, Radoslaw Sikorski, contou à BBC que várias pessoas foram atropeladas na ponte nas proximidades do Parlamento.

“Não vi o carro, mas ouvi o que me pareceu ser uma colisão. Olhei pela janela do táxi e vi uma pessoa no chão, em grande dificuldade”, disse, acrescentando que viu, ainda, mais quatro pessoas caídas na ponte de Westminster, “uma a sangrar de forma abundante”.

A editora de política da BBC disse no Twitter que um assessor político lhe contou que viu mais de dez corpos caídos na ponte de Westminster. “De onde estou, não posso confirmar”, acrescentou Laura Kuenssberg.

Os órgãos de informação na capital britânica afirmam que não é muito comum que na zona do Parlamento, com um perímetro de segurança, num dia de debate com a primeira-ministra e o líder da oposição na Câmara dos Comuns, um indivíduo tenha conseguido fazer o ataque.

Theresa May, primeira-ministra inglesa, foi escoltada para fora do Palácio de Westminster pelo seu serviço de segurança. Funcionários e deputados do Parlamento foram instruídos para ficarem dentro dos escritórios e alguns foram retirados do local em segurança pela polícia.

As imagens do atacante e o carro por ele utilizado no ataque, após ter chocado contra as grades do Palácio de Westminster, foram também divulgadas.  
ANG/JA

CAN-2019


   Seleção Nacional realizada primeiro jogo em casa frente à Namíbia

Bissau,23 Mar 17(ANG) - A seleção nacional da Guiné-Bissau "Djurtus" realizará o seu primeiro jogo referente a qualificação para o CAN-2019 em Bissau frente a seleção da Namíbia numa data a definir entre 5 a 13 de Junho de 2017.
Segundo o site o Golo GB, a Guiné-Bissau está no grupo K juntamente  com as seleções  da Zâmbia, Moçambique e da Namíbia, o seu primeiro adversário. 

Na segunda jornada, os comandados do Mister Candé deslocarão até a República irmã de Moçambique para medir forças com a seleção local "OS Mambas" como é apelidado a seleção de futebol deste país falante da língua portuguesa, e de mesmo molde o jogo será marcado nas datas entre 19 a 27 de Março de 2018.

A terceira e quarta  jornada serão disputadas entre 3 a 11 de Setembro de 2018 com  os "Chipolopolos" nome conhecida da seleção zambiana e que será realizada na Zâmbia, e a quarta será a vez dos guineenses voltarem de novo a jogar em casa frente à Zâmbia.

Entre 8 a 16 de Outubro de 2018, a seleção nacional deslocará a Namíbia para medir forças com a seleção local no jogo a contar da quinta e penúltima jornada da fase de qualificação para o CAN-2019.

Finalmente, entre 5 a 13 de Novembro,  Os Djurtus receberão em casa a os "Mambas", a seleção moçambicana terá que deslocar pela primeira vez ao solo pátrio de Amilcar Cabral para jogar com a seleção irmã da Guiné-Bissau. 

O Campeonato Africano das Nações 2019 será disputado nos Camarões. Actualmente, os Djurtus encontram-se na África de Sul para realizar no Sábado "25 de Março" o primeiro jogo de preparação com vista a qualificação para o CAN-2019 frente seleção Sul Africana.
ANG/Site O Golo GB

Justiça

                    Greve dos oficiais de Justiça paralisa tribunais

Vista do Palácio da Justiça
Bissau,23 Mar 17(ANG) - Os tribunais da Guiné-Bissau encontram-se novamente paralisados a partir de hoje e durante cinco dias devido a uma greve dos oficiais de justiça que acusam o Governo de falta de vontade política na resolução das suas exigências.

Pedro Gomes, presidente do sindicato dos oficiais de justiça, disse à Lusa que todos os tribunais da Guiné-Bissau estão paralisados, sem serviços mínimos, ainda que possam ter os magistrados nos edifícios.

«Os magistrados até podem ir tentar trabalhar, mas não vão conseguir, pois somos nós quem dá seguimento as suas diligências», indicou Gomes, para adiantar ainda que o governo não chamou o sindicato para tentarem encontrar um entendimento.

Entre os pontos em reivindicação, o sindicato exige do Governo a regularização da situação laboral de alguns oficiais de justiça que recebem ordenados desde 2007 mas nunca enquadrados na Função Pública, o retorno do cofre dos tribunais do Supremo para o Ministério da Justiça e ainda aquisição de uma viatura de transporte para o pessoal.

O sindicato também exige a promoção  de oficiais de justiça que não beneficiam de promoção há mais de 17 anos.
ANG/Lusa

quarta-feira, 22 de março de 2017

Cooperação




ONG AHEAD quer estender suas actividades sanitárias para  interior do país

Bissau, 22 Mar 17 (ANG) – O Presidente da ONG de ajuda para o desemvolvimento do sector de saúde (AHEAD) e gerente do Hospital Raul Follereau, manifestou o seu interesse em continuar a investir no pais, assim como alargar os seus imvestimentos para o interior da Guiné-Bissau.

A saida de audiência hoje com o Presidente da República, Fabio Riccardi disse à imprensa que  apresentou ao José Mário Vaz, o relatório dos trabalhos realizados  pela a sua ONG, durante anos em que foram acolhidos na Guiné-Bissau.  

Fabio Riccardi acrescentou por outro lado que apesentou  ao Presidente da República, os próximos projectos que aquela ONG pretende implementar no pais, como forma de desenvolver a sua colaboração  com a classe castrense.

“Aproveitamos também essa ocasião para agradecer ao Presidente José Mário Vaz, pela forma positiva como tem apreciado o nosso trabalho na Guiné-Bissau, igualmente ao governo e a população em geral”, revelou Fabio Riccardi.

Quanto a relação da ONG com  o Ministério da Saúde Pública e  outras Instituições do pais, aquele responsável realçou que tem andado num caminho positivo, razão pela qual pretendem continuar a investir no pais.

Por seu lado e a saída da audiência com o Chefe de Estado, o Vice-Presidente do Grupo MTN ao nível da África Ocidental e Central, Karl Toriola revelou que  abordou com o Presidente da República  as formas como a MTN poderá ajudar a Guiné-Bissau a fazer crescer a sua economia.

“O Presidente José Mário Vaz demostrou o seu interesse em colaborar com os perceiros que pretendem contribuir para o desemvolvimento do pais”, disse o Vice-Presidente do grupo MTN.

Karl Toriola realçou, por outro lado, que a empresa MTN está a trabalhar afincadamente para que a Guiné-Bissau possa andar em pé de igualidade com outros países onde a MTN opera, por isso fez questão de instalar já o sistema da rede de Internet “4-G”.

Entretanto,  o Chefe de Estado recebeu ainda de manhã em audiência o Presidente da Câmara Brasil West Africa, com quem  abordou questões relacionados aos  projectos de investimento no sector da Educação, Construção Civil e possivelmente em Energia Solar, na Guiné-Bissau.
ANG/LL/JAM/SG

Política




RGB condena *discursos de incitação à violência* proferidos por actores políticos

Bissau, 22 Mar 17 (ANG) – O Partido  Resistência da Guiné-Bissau (RGB) Movimento Ba-fatá condenou  terça-feira o que chama de “discursos de incitação à violência” proferidos nos últimos tempos pelos principais actores políticos nacionais.

Foto Arquivo
Citado pela Rádio Nossa, O Presidente da RGB, Fernando Mendes que declarou essa condenação, sem identificar os actores políticos referidos ,manifestou a sua preocupação face a situação política vigente, dizendo que já chega o tempo de o povo guineense tirar os exemplos dos factos insuportáveis cujas consequências nefastas serão para a Guiné-Bissau e o seu povo.

O Líder da RGB disse que os actores políticos guineense mostraram mais uma vez que sozinhos não são capazes de conduzir os destinos do país.

A RGB/MB condenou ainda a “manipulação dos recursos públicos para interesses pessoais e de grupos, da censura nos órgãos de comunicação social público de que muitos partidos políticos estão a ser alvo.  

Realçou que estes actos podem desembocar na desordem pública face a fragilidade política vigente no país.

Por outro lado, Fernando Mendes felicita as forças armadas e segurança pela manutenção da postura de imparcialidade ,perante a vida politica , e apelou o apoio  útil da comunidade internacional  para a resolução da  crise.    
ANG/ PFC/JAM/SG