sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Transpores e Comunicações


 Garantida funcionamento de todos serviços do  sector em 2017
Bissau 30 Dez 16 (ANG) – O Ministro dos Transportes e Comunicações garantiu hoje que todas as instituições sob a sua tutela nomeadamente as empresas de comunicações Guinetel e Guine Telecom estarão operacionais a partir do próximo ano e a questão dos salários em atraso será ultrapassada definitivamente.
 
Fidélis Forbs deixou estas garantias no acto do lançamento do livro intitulado “Prioridades Estratégicas do Sector dos Transportes “ e mostrou-se preocupado com a situação difícil de funcionamento, devido a falta de recursos em alguns casos, frisando que noutros não se compreende como empresas que gozavam de enormes prestígios e de repente entraram em colapso.

O estadista lembrou que a situação já arrasta ha vários anos e carecem de uma solução urgente, tendo garantido que estas situações serão ultrapassadas em 2017.

Falando das realizações feitas durante  2016, Fidélis Forbs citou o acabamento das obras de pavimentação do parque de contentores e a instalação de básculas para o controlo de peso das entradas e saídas dos camiões no porto de Bissau, adoção de novo Código Aéreo, bem como a retoma dos voos da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP), e a reabilitação do parque de estacionamento de aeronaves.

“Num outro âmbito a Autoridade Reguladora Nacional (ARN),entregou a gestão do centro multimédia a Escola da Base Aérea e perspetiva-se a entrega de outros centros, bem como a continuidade da execução do projecto de informatização do Hospital Nacional Simão Mendes “ vincou.
  ANG/MSC/SG
  

Economia



“O sector pesqueiro deve merecer mais atenção por aquilo que representa para o 
 país”, diz ministro das Pescas

Bissau,30 Dez 16(ANG) – O ministro das Pescas considera que o sector pesqueiro deve merecer mais atenção por aquilo que representa na economia do país.

Orlando Mendes Viegas falava à imprensa após a visita que efctuou hoje às instituições sob  sua tutela, nomeadamente Serviços Nacional de Fiscalização e Controlo das Actividades de Pesca(FISCAP), Porto de Pesca e Projecto de Alto Bandim.

Segundo ele, deve-se proporcionar mais atenção ao Ministério das Pescas para que, de facto, possa dar aquilo que deve a economia do país.

O governante sublinhou que constatou durante a visita alguns sucessos alcançados nomeadamente na área da fiscalização, que  considera de avanços significativos em comparação com os 10 anos atrás.

“Vamos continuar a caminhar nessa política e fazer tudo  em colaboração com todos os trabalhadores do Ministério das Pescas, no sentido de podermos  dar ao sector pesqueiro aquilo que merece na nossa economia nacional”, prometeu.

Perguntado sobre o que vai fazer no sentido de inverter a situação, Orlando Mendes Viegas respondeu que vão encetar uma acção coordenada  sobretudo ao nível do governo, adoptar passos e medidas concretos no sentido de ultrapassar situações que constituem entraves ao desenvolvimento do sector”.
ANG/ÂC/SG


Desporto/Ciclismo




                                    Quedutar  Ialá vence a prova Farim-Bissau 

Bissau,30 Dez 16 (ANG) – O ciclista guineense Quedutar Cul Ialá venceu esta quinta feira a competição nacional de ciclismo, num percurso que liga a cidade de Farim à Bissau , de cerca de 119 km, em pouco mais de 2 horas e trinta minutos.

A prova foi organizada pela Federação Nacional de Ciclismo, no âmbito da preparação dos atletas para sua eventual participação nas competições internacionais da modalidade.

No final da corrida, o vencedor reconheceu o potencial dos colegas, sobretudo do veterano da modalidade, Carolino Carlos Medina, conhecido por (Cinco), que ficou em terceira posição. 

Quedutar Ialá criticou a organização pela atribuição de prémio de uma bicicleta, que, segundo ele, nem está  em boas condições e mais 30 mil francos Cfa  .

Revelou que desde cedo que começou a praticar a modalidade e que já participou em quatro corridas, das quais venceu duas.

O segundo lugar recebeu o premio de  70 mil francos CFA e e o terceiro contentou-se com 50 mil cfa .

Os  restantes ciclistas participantes receberam  20 mil francos CFA cada.

Em declarações a imprensa, o Presidente da Federação Nacional do Ciclismo, Sabino Nhasse justificou que a atribuição de  prémio a todos os participantes, foi decidida pelos proprios  ciclistas.

Sabino Nhasse deixou a promessa de organizar a prova nacional de ciclismo quatro vezes por ano.

Disse que apesar das dificuldades em termos de meios financeiros e materiais, conseguirem realizar a prova com os escassos meios que a Federação despõe, por isso considerou de positivo a realização da aprova.

Participaram na prova  68 ciclistas de diferentes equipas, entre os quais a equipa de Fagoral, da empresa de Construção ASG, de Husseim Fharat. 
ANG/LPG/ÂC/SG

Colômbia




                               Aprovada Lei de Amnistia para as FARC

Bissau, 30 dez 16 (AnG) - O Congresso da Colômbia aprovou quarta-feira a Lei de Amnistia que inclui o perdão jurídico para os integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) que não cometeram crimes graves no conflito, depois do plenário do Senado dar o sinal verde ao projecto.

No total, 69 senadores votaram a favor desta lei e nenhum contra. “Com 69 votos a favor e zero contra, o plenário do Senado aprova a Lei de Amnistia. O projecto agora passa ao Tribunal Constitucional para sua revisão”, escreveu na sua conta no Twitter o presidente do Senado, Mauricio Lizcano. 

O documento passou horas antes na Câmara dos Representantes, com 121 votos a favor e nenhum contra.  A iniciativa destina-se a dar segurança jurídica aos membros das FARC que entregarem as armas, como parte do acordo de paz com o Governo. 

O projecto legislativo também contempla um tratamento especial para os agentes do Estado que possam ter cometido crimes no marco do conflito armado.

De acordo com o presidente do Senado, os membros da Polícia que vão ser beneficiados são aqueles “que tenham sido condenados, processados ou acusados de cometer condutas puníveis por causa, com ocasião ou em relação directa ou indirecta com o conflito armado.”

Maurício Lizcano acrescentou que os guerrilheiros “vão começar a descer das montanhas e entregar as suas armas. Vão gozar deste benefício que traz a paz”.
ANG-JA

Transportes


Ministério lança livro sobre Prioridades e Estratégias do sector

Bissau, 30 Dez 16 (ANG) – O Ministério dos Transportes e Comunicações lançou hoje num dos Hotéis da Capital, o livro contendo “Prioridades e Estratégicas do Sector dos Transportes”.

De acordo com os responsaveis do sector, a iniciativa visa transformar as infraestruturas dos transportes em fundamentos para o desenvolvimento e motores de crescimento econômico identificados no quadro da visão Guiné-Bissau 2025.

Discursando no acto, o Ministro dos Transportes e Comunicações disse que a associação do  país ao processo de globalização é sublinhada pelos esforços de desenvolvimento de Infraestruturas de transportes, como meio de promoção da melhoria dos índices de desenvolvimento humano, integração regional e amizade e cooperação com outros países do mundo.

Fidélis Forbs salientou que apesar das vantagens da sua situação geográfica, a Guiné-Bissau, representada pelo seu único porto, o de Bissau, não despõe, actualmente de condições ideais para fazer face a procura da cadeia logística que lhe é imposta, com repercussões negativas para a economia nacional.

“Para que o país possa fazer parte da concorrência internacional com melhores preços dos seus produtos, deve apetrechar o seu porto com equipamentos modernos, fazer dragagem e renovar a balizagem e sinalização dos canais de acesso “, disse.

O governante lembrou  que, sendo um país formado de uma parte continental e outra insular, a Guiné-Bissau deve desenvolver o seu sistema de transportes marítimos e fluviais, por forma a tirar as ilhas do isolamento e promover o desenvolvimento harmonioso do estado.

Fidélis Forbs disse ainda que as infraestruturas aeronáuticas e terrestres vão merecer também uma atenção especial para garantir as melhores condições de funcionalidade, segurança e conforto aos seus utentes, tendo recordado que cerca de 12 por cento do total das importações e exportações da Guiné-Bissau são feitas por via terrestre.

ANG/MSC/JAM/SG







Política


Apoiantes do grupo dos "15" acusam Simões Pereira de desvio de 350 milhões de francos CFA 

Bissau, 30 Dez 16 (ANG) – O Movimento Nacional de Quadros Técnicos do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo-Verde (PAIGC), organização de apoio aos 15 deputados expulsos desta formação política acusou quinta-feira o Presidente do Partido de ter desviado cerca de 350 milhões de francos CFA.

Segundo a Rádio Sol Mansi, em Conferência de Imprensa, o Coordenador do Movimento, Bamba Banjai  disse que  o grupo vai  acionar uma queixa-crime contra Domingos Simões Pereira.

O grupo não indicou nem o dono nem a proveniência do dinheiro de que acusa Simões Pereira de ter desviado.

Banjai acusou ainda o Presidente do PAIGC de, enquanto Primeiro-ministro, ter desviado dinheiro do cofre de Estado, sem, no entanto, revelar o montante.

Acrescentou ainda que Domingos Simões Pereira é um elemento ao serviço de agencias secretas internacionais enviado ao pais para destruir o partido libertador.        

Banjai explicou na altura as razoes da criação deste movimento, nomeadamente   para unir e salvaguardar a família do PAIGC e os ideais da Amílcar Lopes Cabral. 

O coordenador do Movimento Nacional de Quadros Técnicos do PAIGC pediu ao Presidente do PAIGC para que demita das suas funções, porque "a sua liderança esta falhada".

Por sua vez, Vladimir Deuna, do Bureau Político do PAIGC acusou também Simões Pereira de não respeitar a história  e tradição do PAIGC, bem como os ideais e pensamento de Amílcar Cabral e dos antigos combatentes da liberdade da pátria . 

Deuna disse que depois do PAIGC ganhar as eleições gerais em 2014, Domingos Simões Pereira formou o seu Governo na base de "clientelismo e do nepotismo" e que isso originou com que o PAIGC perdesse 10 deputados. 

ANG/PFC/JAM/SG

Politica


Presidente do PAIGC  espera firmeza da CEDEAO para acabar com  crise 

Bissau, 30 Dez 16(ANG) - Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, partido vencedor das últimas eleições legislativas na Guiné-Bissau, mas arredado do poder, anunciou quinta-feira esperar firmeza da organização sub-regional, CEDEAO, para acabar com a crise política no país.

O líder do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) manteve na quinta-feira um encontro com os militantes e dirigentes do partido, em Bissau, tendo-lhes dado conta dos resultados de um périplo a vários países africanos.

Dos encontros Domingos Simões Pereira disse estar convicto de que a Comunidade Económica de Estados da Africa Ocidental (CEDEAO) irá tomar "medidas necessárias" para acabar com a crise política na Guiné-Bissau.

Para o líder do PAIGC, a CEDEAO não tem outra medida a tomar que não seja ser firme e determinado perante o que diz ser "golpe de Estado constitucional" na Guiné-Bissau, em que  o Presidente da República se recusa a cumprir com os compromissos assumidos perante a comunidade internacional.

Num discurso em crioulo, Domingos Simões Pereira referia-se ao Acordo de Conacri, um instrumento proposto pela CEDEAO para acabar com a crise política que assola a Guiné-Bissau há cerca de dois anos.

Quatro dos cinco partidos com assento no Parlamento guineense acusam o chefe do Estado, José Mário Vaz, de não respeitar o Acordo de Conacri, ao nomear Umaro Sissoco Embaló primeiro-ministro.

Por ter um mandato do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o líder do PAIGC entende que não restaram à CEDEAO outra saída que não seja exigir o Presidente guineense "o cumprimento na íntegra" do Acordo de Conacri, frisou.

O Acordo propõe, entre outros pontos, que o governo a ser formado na Guiné-Bissau seja inclusivo e que o primeiro-ministro seja uma figura de consenso dos partidos representados no Parlamento e ainda que seja alguém de confiança do chefe do Estado.

O PAIGC, PCD, PND e UM que  recusaram integrar o Governo acusam José Mário Vaz de nomear Sissoco Embalo na base de confiança pessoal mas sem que este fosse de consenso.

Na última cimeira de chefes de Estado e de Governos da CEDEAO realizada no passado dia 18 na Nigéria, a organização recomendou ao Presidente guineense o cumprimento integral do Acordo de Conacri que diz ser instrumento capaz de tirar a Guiné-Bissau da crise política.

ANG/LUSA

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

China


Fórum Macau aberto à adesão de São Tomé e Príncipe

Bissau, 29  Dez (ANG) -  O Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum Macau) tem uma “atitude aberta” à entrada de São Tomé e Príncipe, que restabeleceu esta semana relações diplomáticas com Pequim.

“São Tomé e Príncipe é um dos membros familiares da lusofonia, pelo que o Secretariado Permanente tem uma atitude aberta quanto à sua participação no Fórum de Macau.

 Caso a parte santomense apresente o pedido, o Secretariado Permanente está disposto em submeter aos países participantes do Fórum para efeitos de discussão”, indicou hoje à Lusa o Gabinete de Apoio ao Secretariado Permanente do Fórum Macau.

No dia 20 deste mês, São Tomé e Príncipe cortou relações diplomáticas com Taiwan e reconheceu a República Popular da China. Seis dias depois, na segunda-feira, a China anunciou o restabelecimento dos laços diplomáticos com o país.
São Tomé e Príncipe encontrava-se, até agora, excluído do Fórum Macau devido às relações com Taiwan.

Criado em 2003 por Pequim, o Fórum Macau tem um Secretariado Permanente e reúne a nível ministerial a cada três anos.

Na V Conferência Ministerial, em Outubro, não esteve qualquer representante de São Tomé, apesar de o país ter participado como observador nas reuniões do Fórum e de em 2013 ter enviado, pela primeira vez, um representante com a categoria de ministro.

São Tomé e Príncipe suspendeu relações com Pequim em 1997, reconhecendo Taiwan. No entanto, o presidente Manuel Pinto da Costa visitou a China em pelo menos duas ocasiões.

Pequim considera Taiwan uma província chinesa e defende a "reunificação pacífica", mas ameaça "usar a força" caso a ilha declare independência.

Já Taiwan, a ilha onde se refugiou o antigo governo chinês depois de o Partido Comunista (PCC) tomar o poder no continente, em 1949, assume-se como República da China.
Pequim e Taipé afirmam que existe uma só China.

Quando São Tomé decidiu reconhecer Taiwan, a ilha era um dos quatro "tigres asiáticos", ao lado da Coreia do Sul, Hong Kong e Singapura.

Apoiada numa pujante economia, Taiwan investia muito dinheiro na expansão do seu espaço político internacional.

Entretanto, a República Popular da China tornou-se a segunda maior economia mundial, com as maiores reservas cambiais do planeta, no valor de 3,44 biliões de dólares.
ANG/Lusa/Inforpress